O mês de Julho de 2017 já começou com uma notícia alarmante para os produtores brasileiros. Confirmou-se que a planta daninha Conyza sumatrensis (buva), já conhecida por ter desenvolvido resistência múltipla aos herbicida glifosato e inibidores da acetolacto sintase (ALS-AHAS) no Brasil em 2011, desenvolveu também resistência ao herbicida paraquate, o qual constitui umas das principais ferramentas para o manejo desta planta daninha em dessecação pré-semeadura e pré-colheita. Este caso de resistência foi recentemente adicionado ao banco de dados internacional de resistência de plantas daninhas aos herbicidas disponível em “www.weedscience.org”.

Sul do Brasil: fonte de resistência ao Paraquate

Os biótipos resistentes foram coletados no município de Assis Chateaubriand/PR e testes posteriores realizados pela Universidade Federal do Paraná – Setor Palotina, Dow Agrosciences/Mogi Mirim, e Embrapa Soja/Londrina confirmaram a resistência a este importante herbicida inibidor da passagem de elétrons através do fotossistema I nas plantas. Existe agora a preocupação que os biótipos venham a se espalhar para outras regiões produtoras, além da possibilidade de que a resistência venha a se desenvolver como um evento independente em outras populações de buva no país, devido ao intenso uso de paraquate para manejo desta. É, portanto, imprescindível realizar a rotação não somente de herbicidas e ingredientes ativos, mas também dos mecanismos de ação destes, visando a preservação da tecnologia disponível para manejo de buva e outras plantas daninhas.

O caso da Conyza sumatrensis

Vale ressaltar que até o momento, este caso de resistência não inclui as outras duas espécies comuns de buva no Brasil, Conyza canadensis e C. bonariensis. Casos similares de resistência ao paraquate em C. sumatrensis já haviam sido confirmados no Japão (1986), Malásia (1990), Siri Lanka (1998), e Taiwan (1980).

 

Fontes:

http://weedscience.org/Summary/Species.aspx

Comunicado interno – Sociedade Brasileira de Plantas Daninhas (SBCPD)

http://weedscience.org/Details/Case.aspx?ResistID=16082